domingo, 3 de junho de 2018

Se não for assim, não será de outro jeito.

Quando assistimos nos palcos, nos vídeos ou até em fotografias, bailarinas(os) realizando movimentos e poses virtuosas pouca vezes nos perguntamos o trabalho/esforço que está por trás.

A resposta é um conjunto chamado método, que soma repetição, técnica e tempo.

No ano 2000 infelizmente eu produzi algumas lesões, e sim, algumas delas praticando dança. Senti que era necessário aprender mais sobre o funcionamento do corpo. Muito mais do que era ensinado na aula de Anatomia. Isso detonou um estopim em mim o suficiente para eu somar o meu apaixonamento pela dança à busca de diversas formas de cura.

Não vou entrar no mérito de comparar os descrever cada uma das curas, mas cito aqui algumas Terapias Corporais que me submeti: Eutonia, Reestruturação Corporal, Terapia Crânio Sacral, Osteopatia, Fisioterapia (tradicional), RPG e Pilates.

Durante esse período eu frequentei o curso universitário de Dança e Movimento, e pude ampliar meu conhecimento sobre outras práticas que combinavam dança e prevenção de lesões, por meio da Educação Somática.

Resumindo muito, Educação Somática são técnicas corporais que visam a recuperação e manutenção da saúde de seus praticantes, através de aplicações de técnicas para o movimento do corpo. A visão de corpo é de um corpo sensível e único, não mecanizado, inclusive as limitações individuais de qualquer natureza são levadas em conta. Ou seja, são práticas que ajudam a você dançar mais e melhor.

Essas técnicas não substituem o treinamento técnico em dança, mas enriquece o processo de ensino e de criação. São técnicas de Educação Somática: Feldenkrais, Eutonia, Body Mind Centering, Sistema Laban/Bartenieff, Técnica de Alexander, G.D.S., Antiginástica, Técnica Klauss Vianna (Brasil), entre outras.

Atualização dentro da sala de aula
No meu ponto de vista, hoje, em 2018, é impossível conceber o ensino das técnicas de dança (qualquer tipo de dança, inclusive Ballet!) sem incluir exercícios oriundos da Educação Somática. No meu TCC, escrito em 2005, eu desenvolvo mais esse tema, aplicando a Educação Somática para o corpo do adulto que quer dançar. Inclusive desenvolvi diversos módulos no formato de Workshops em 2010 visando introduzir algumas dessas práticas.

Outra coisa que é impossível é entrar numa sala de aula onde o professor sequer sabe o nome/função dos principais ossos e músculos do corpo humano. Oi?! Gente, onde vcs fazem aula é assim?

Aviso: na minhas aulas de Dança/Ballet, (particulares ou em grupo) eu levo um esqueleto para estudo. Porque se não for assim, não será de outro jeito.
 

Eu, eu professora, a Dança e a Educação Somática
Pela minha história de vida, pelo meu corpo e suas limitações, sempre me vi na contramão do ensino tradicional de dança.

Se eu não acreditar que todos os corpos podem dançar até quando quiserem, exemplo até 80 anos de idade. que qualquer um pode dançar, que existe um modo de se divertir estudando passos enquanto investiga seu próprio corpo e ainda sentir prazer com isso, pra mim é como deixar de acreditar no próprio poder transformador da dança.

Adoro trabalhar com a dificuldade, com o corpo cotidiano, com as posturas viciadas, os pouco alongados, hipotônicos ou os desprovido de controle dos membros. Gosto de ver a construção, o processo e onde isso vai dar.

É incrível o valor hoje em dia dado a cópia, a virtuosidade, a velocidade e a repetição como o objetivo principal de se fazer Dança. Quando não há "alma" eu me desinteresso gradativamente, pois os resultados devem vir por um outro caminho.

Não importa se o aluno tem diploma ou não, quantos passos ele sabe, quantos anos fez de Ballet, mas quero ver qual a sua sabedoria corporal, a qualidade de como ele se move. Esse é o seu valor, seu conhecimento prático em dança, como ele se move com consciência e saúde.

Já recebi diversos alunos em minha sala de aula que vieram de anos de ensino tradicional em escola renomada, de mensalidade cara, e não sabiam sequer fazer um plié. Aí me pergunto, o que ficou no seu corpo? O quanto realmente valeu esse ensino recebido?

Pensem nisso e me escrevam!
beijos a todos!
Ana Curcelli

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Inspiração

"Dançar ultrapassa qualquer obstáculo da vida."
                                                               ~Angel Vianna


Foto: Douglas Braga


quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Das distinções.

Nos últimos meses tenho recebido alguns e-mail com dúvidas bem comuns e vou tentar responder aqui porém por partes, ok?!

Alguns pequenos detalhes precisam ser pontuados, pois se referem as características das práticas corporais.

A dúvida: é Ballet ou não é Ballet?

Ballet é uma forma de arte. Faz parte da Dança, que é uma categoria da expressão e conhecimento humano.
A linguagem do Ballet é complexa, e se pauta por um conjunto de práticas corporais específicas, somadas a outras características culturais e artísticas dentro de um contexto.

Já o Ballet Fitness, Ballet Fit, Ballet Pilates, Xtend Barre, Ballet Barre etc. etc. etc. (que aliás, não tenho nada contra essas modalidades), são práticas de condicionamento fisico, que são influenciadas em alguns dos ítens do Ballet porém fora do seu contexto, como fundamento ou postura ou passos ou posições. Ou seja, nenhuma dessas modalides citadas acima são Ballet.

Vc faz Ballet Clássico? Ok então vc estuda arte.
Vc faz qualquer outra dessas modalidades que mencionei ali em cima? Ok então vc pratica ginástica, que pode ser em parte inspirada pelo Ballet.

Pra ficar mais fácil de entender é só lembrar, nenhuma dessas modalidades te formará como bailarina, pois não te fazem dançar nem te ensinam a arte do Ballet Clássico. Mas podem modelar seu corpo... ;-)

Na foto: Segundo ato do Ballet Giselle. 




segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Aula Especial e Meu Aniversário

No dia 23/11 ministrei uma Aula Especial em comemoração do meu aniversário só com coreografias de Ballet de Repertório, Giselle e Don Quixote.
Nem preciso dizer que foi muito ❤️ ❤️ ❤️ ❤️ ❤️ ❤️ ❤️ ❤️ ❤️



sexta-feira, 20 de outubro de 2017

EVENTO Ballet (para Adultos claro!)

Caríssimos leitores, neste sábado, dia 21/outubro, teremos uma mega Aula de Ballet completíssima na Bodytech Pinheiros, com 3 horas de duração, voltado para adultos de todos os níveis técnicos, começando as 9:30 da manhã. 
Esse evento é inédito e imperdível!
Mais informações e inscrições direto comigo  ballet.adulto@gmail.com 😉😘
Ainda temos vagas.


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Dia da Bailarina 2017

Feliz dia da bailarina!!!!




Foto por Douglas Braga 

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Especial: Aula em Comemoração ao Dia da Bailarina!


Em comemoração ao Dia da Bailarina, criei uma Aula Especial com conteúdo mixto: Alongamento para Dança + Trabalho de Braços (estrutura, consciência e força) + Coreo + algumas surpresinhas extras que não posso contar...💕🔝 
Será nesta Terça-feira dia 5/9 ás 19hs, na Bodytech Pinheiros.
Quer participar? reserve sua vaga! ballet.adulto@gmail.com
#sampa  #empoderamentofeminino
#bodytech #mundobt #bodytecheldorado  #balletsp #igballet #bailarinices #danca #dancasp #bailarinas #balletadulto #eventossp #ballet #bailarina #balletdepoisdos30 #balletclassico #aulaballet #vidadebailarina #auladeballet #balletdepoisdos40 #amoballet #balletparaadultos #alongamento #vemdancar #bailarinas #bailarina #dança #eventos #saopaulo



quarta-feira, 28 de junho de 2017

Aula Especial Alongamento para Ballet

Compareçam!!!
Quer participar? reserve sua vaga! ballet.adulto@gmail.com


domingo, 12 de março de 2017

Ballet depois dos 80


Dona Mitiko começou a fazer aulas comigo quando tinha 78 anos, hoje ela tem mais de 80 e continua firme e forte no ballet! Essa foto foi tirada na terça-feira desta semana. Dona Mitiko é demais!!! E acho ela um exemplo.

terça-feira, 7 de março de 2017

Aula Especial Ballet de Repertório

Olá pessoal!
Todo mês, ministro aulas com temas especiais. Esse mês em comemoração ao Dia Internacional escolhi "Camponesa", trecho solo do primeiro ato de Giselle.
Nessas aulas conto tudo sore a história do Ballet, há um aquecimento específico, limpeza técnica dos passos e a coreografia bem detalhada.
Fiz adaptação para Iniciantes, pois tenho alunas que ainda não estão nas pontas.
Quer participar? reserve sua vaga! ballet.adulto@gmail.com

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Workshop Dança Cigana

Nunca falei aqui sobre o amor que tenho com a dança cigana. Estudei por alguns anos e desde 2015 ministro workshops também.
Abaixo uma imagem de cenas da aula, da alegria contagiante, do trabalho cardiovascular intenso, expressividade e no final tem uma surpresa deliciosa que as alunas sempre amam (não posso contar aqui, rsss).
Me siga no Instagram para saber das novas datas atualizadas @anacurcelli


quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Aulas em 2017

 

Pessoal, as aulas regulares e as particulares para 2017 já começaram. 
Só falta vc...
Vem pro Ballet!
Agendamento: ballet.adulto@gmail.com

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Primeiro Workshop de 2017

"Sua primeira Aula de Ballet", é o tema do meu primeiro Workshop de 2017.
Essa aula tem duração de 1h30m e é destinada a quem sempre teve vontade de aprender Ballet mas nunca teve coragem ou oportunidade.
O objetivo é fornecer uma introdução ao aluno, incluindo posições de pernas e braços, passos básicos e algumas surpresas especiais que preparei.
A faixa etária vai dos 17 aos 85 anos e o pré requisito é ter vontade de aprender!
Para esta aula recomendo irem com roupas de malha bem confortáveis e levar um par de meia de algodão.



Data: 10/01/2017
Horário: das 19 às 20:30
Local: BodyTech unidade Pinheiros (Avenida Rebouças, 3970, segundo subsolo)
Vagas: Limitadas
Reserva: ballet.adulto@gmail.com
****************
Quer levar esse Workshop para sua cidade? Entre em contato pelo ballet.adulto@gmail.com

domingo, 8 de janeiro de 2017

Ballet Adulto em 2016: foi só gratidão...

2016 foi um ano de mais aulas, mais locais adererindo a prosposta do Ballet Adulto, barras cheias, muitos novos alunos (sim, e daqueles bem bacanas que quero ter comigo por mto tempo), mais alunos particulares, centenas de desafios, de muita gratidão e fé no que vem por aí...
Para marcar aulas particulares: ballet.adulto@gmail.com
Para receber o menu de Workshops que ministro (pode ser fora de SP sem problemas) ballet.adulto@gmail.com


 #dancer #empoderamentofeminino #bodytech #mundobt #bodytecheldorado  #balletsp #igballet #bailarinices #danca #dancasp #bailarinas #balletadulto #balletbarre #ballet #bailarina #balletdepoisdos30 #balletclassico #aulaballet #vidadebailarina #auladeballet #balletdepoisdos40 #amoballet #balletparaadultos #alongamento #vemdancar #bailarinas #bailarina #sapatilhadeponta #dança #dance #saladedança

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Pés e Unhas: Cuidados e Dicas (parte 2)

Se na nossa cultura vemos os pés de forma dissecada, por partes, músculos, tendões, ossos (como na figura abaixo), na medicina oriental ele tem várias funções, como captador de energia da terra, origem dos 12 meridianos do corpo, e ainda como um mapa de comunicação com todos os órgão do corpo. Fascinante.
Esse tema pra mim é tão vasto que não paro de escrever, fora as dicas que escrevi aqui tem mais uma porção de coisas interessantes e exercícios que gostaria de mostrar para todos. Mas enquanto um workshop específico sobre pés não vem lembre-se sempre: conheça, ame e cuide deles.


- Esmalte: usar ou não? É ótimo para ter unhas firmes, prefira os tons quase transparente ou aqueles que oferecem nutrição na fórmula. Cores claras permitem que você possa ver se há alguma alteração nas unhas com o impacto dos exercícios dentro da sapatilha de ponta. Existe um mito que diz que todo esmalte em qualquer tom de vermelho oferece mais proteção às unhas devido à formulação diferente por causa da cor... De qualquer forma no Ballet as unhas dos pés ficam sempre ocultas, lá dentro das sapatilhas, porque não tentar?

Se você já usa sapatilha de ponta cuidados redobrados
- Fique de olhos nas unhas, principalmente pra quem já faz pontas, precisam estar sempre aparadas, curtas, porém sem deixar a carne dos dedos exposto. Corte sempre de forma reta (quadrada mesmo) e nunca tire as bordas ou cantos laterias da unha com o alicate, pois a tendencia é que elas encravem.

- O dedão (Hálux) e sua unha, é o maior dedo do pé e mega importante para quem faz Ballet, portanto sempre o mais propenso a todo tipo de lesão, infelizmente. Entre elas tendinite, luxação, fratura óssea, lasca, quebra ou queda da unha. Aff... parece tenso mas vida de bailarina é assim, pode acontecer.


- Cuidado com Podólogos e Pedicures: pode ir eventualmente, se não me engano a indicação para adultos é uma visita a cada 6 meses. Porém alerte o profissional que você faz dança, por isso os calos de bailarinos não podem ser totalmente removidos numa única sessão, pois são a proteção natural que nossos pés criaram contra a fricção e apoio enquanto dançamos – essa dica vale mesmo para aqueles que ainda não usam sapatilha de ponta.


segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Pés e Unhas: Cuidados e Dicas (parte 1)

Eles são nossas preciosas bases de sustentação, fonte de apoio e beleza, só para começar os predicativos. 
Talvez pouca gente cuide deles como realmente merecem, porém bailarinas e bailarinos devem ter cuidados redobrados devido a diversos fatores, lembrando sempre que qualquer parte do nosso corpo é importante do ponto de vista da saúde holística, mas algumas são mais ainda, independente do papel que a dança ocupe em sua vida.
Abaixo cito um lista de cuidados e dicas que colhi nesses vinte anos dedicados a dança, aproveitem e quem quiser pode também deixar nos comentários sua dica pessoal para aumentarmos essa lista.

- A maior preocupação com a  pele dos pés é quanto ao aparecimento de fungos. Eles podem surgir devido o tempo que os pés estão fechados dentro da sapatilha, suando e trabalhando durante horas na semana. Se possível faça uso de talco antisséptico, lembrando sempre de lavar e secar bem aqueles espaços "entre os dedos".

- Auto-massagem nos pés! Em 2 etapas: antes de cada aula/ensaio, a massagem é tônica, serve para “acordar” todas as pequenas musculaturas que estão entre os dedos e na sola do pé. E depois da atividade física repita a operação, mas daí com o intuito oposto, de relaxar, usando movimentos lentos, profundos e de alongamento.


- Após o banho ou antes de dormir eles merecem uma boa hidratação, aplique produtos apropriados para pés, geralmente com mentol que relaxam e dão a sensação de refrescante.

- Para pés cansados ou para relaxar o corpo todo através dos pés, faça uso do velho e bom escalda pés, aqui numa versão turbinada... Junte todos os ingredientes numa bacia média: 
- 3 litros de água quente (não é fervendo, sinta a temperatura antes)
- 1 colher de sopa de sal grosso (ou sal marinho)
- 1 colheres de sopa de vinagre (qualquer tipo)

- 3 gotas de um óleo essencial, use o que mais gostar, idéias: Alecrim, Lavanda, Manjericão, Laranja...

- Super dica: Deixe seu escalda pés ainda mais relaxante, colocando no fundo da bacia umas 20 bolinhas de gude. Durante a imersão toque as bolinhas suavemente com a sola dos pés e os dedos, aumentando ainda mais a sensação de relaxamento. Bons sonhos!... 




segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Como me tornei professora

Acreditem, hoje eu não consigo viver sem ensinar, parece que nasci fazendo isso, nasci pra isso, amo fazer isso, ver o aluno do zero construir a técnica, explicar, limpar, mostrar cada detalhe do esqueleto, do passo... Mas desde que comecei a aprender/praticar dança nunca havia me passado pela cabeça ser professora. Nunca, nunca, nunca.

Em julho de 2005, após terminar a faculdade, bateu uma "tristeza" que me fez repensar meu caminho, até então. Sim, era muito legal aprender dança, dançar, me apresentar etc, mas eu sempre quero ir além, isso é da minha natureza. Eu sentia um pulsar, que todo aquele saber deveria servir ao mundo, não só a mim, eu queria compartilhar.

Na época eu não sabia como começar, pois apesar de ter feito 3 estágios na área de dança, eu não enxergava o caminho ainda, queria fazer algo diferente, novo, e tinha alguns questionamentos sobre o mercado de trabalho (assunto que aliás vou abordar numa série de 5 posts que estou preparando).

A primeira questão era o espaço (onde). Na época eu morava numa casa de 2 quartos, não tive dúvidas, esvaziei completamente o maior deles, media 4,50m x 4,50m, e montei ali uma sala para dançar (tem um post aqui no blog falando sobre isso).

No início era usada só por mim, depois eu mais as amigas da dança, mais amigas, outras amigas, amigas das amigas, por fim foi o primeiro lugar que dei aulas de ballet, particulares na época, até 3 alunos por vez. Quando começou a crescer o número de alunos precisei leva-los para outras salas, maiores, assim fui dar aulas em estúdios de dança, daí vieram outras, mais outras, os convites, a minha escola etc.

Você ama fazer, e está tudo explicado!

Na fase de questionamento resolvi fazer um teste vocacional, por que não? Eu bem que poderia trabalhar em outra área que não seja dança. Fiz o teste, e não contei nada sobre minhas experiências profissionais anteriores para a psicóloga (nas áreas de design e alimentação).

Na entrevista pra saber o "resultado" do teste a psicóloga começou a descrever minhas capacidades... "disciplina, organização, metodologia, técnica apurada, trabalho com habilidades, alta qualidade, estrutura, aprofundamento, ética, saber ouvir, pesquisar, ensinar, curar, criar, estudar"... Fiquei congelada ouvindo ela, e ela continuava, algumas das características ela enfatizava muito. Depois de ouvi-la por exatos 12 minutos eu tive que interrompê-la: "mas você quer dizer que eu poderia por exemplo trabalhar como professora de ballet?".
Ela disse "SIM!"
Eu: hahahaha (risos), por fim contei pra ela que já estava ministrando aulas de Ballet.
Ela descreveu cada característica que um professor precisa ter! Choquei.
Então agora estava explicado porque eu estou tão afinada com a profissão, nada é por acaso. Coisas acontecem e às vezes não entendemos o porque, nos questionamos mas a vida aponta pra aquela "coisa".
Foi assim que a confirmação veio!

Eu ensinando. Algum aluno tirou essa foto mas não sei quem.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Professor e aluno: histórias cruzadas

Dia dos Professores. Sempre que chega essa época do ano faço aquele balanço básico de gratidão no coração, tudo que ensinei, tudo que aprendi, quantos alunos novos pude inspirar, quantos mestres me inspiraram, e lembrei de contar esse momento pra lá de especial na minha carreira de professora de Ballet para Adultos aqui no blog.

Há um ano atrás recebi uma aluna nova, a Mel. Muito simpática, antes de entrar e se apresentar ela ficou sentadinha assistindo outras aulas aulas que eu ministrava.
Depois de conversarmos por alguns minutos, percebi que ela havia sido amputada. Daí ela me contou toda sua história e terminou falando que havia ganhado uma prótese inédita no mundo, em formato de sapatilha de ponta.
Uau! (quantas possibilidades isso pode gerar)
Nesse micro segundo passaram-se milhares de idéias pela minha mente...
Era claro que os desafios dela estavam atrelados aos meus desafios, de adaptar toda técnica para que ela pudesse cursar as aulas, aproveitar ao máximo os ensinamentos, e se sentir dançando.

Assim minha história de professora está paralela e ao mesmo tempo dentro da história de vida da Mel, pois mais uma vez, quando somos professores somos mais ensinados do que ensinamos. Nem preciso dizer o quanto agradeci por ter essa oportunidade de crescimento como profissional.
Com certeza 2015 foi um ano lotado de desafios para mim, esse foi o mais delicioso em muitos aspectos, amadurecimento, troca, e mais uma vez rever e rever (de novo!) tudo que eu sabia sobre dança.

Parabéns pra Mel, pra mim, para todos os professores e alunos. Pois é o aluno que faz o professor ser professor.  Trabalhar com qualquer aluno em condições especiais faz ficar evidente que é necessário rever tudo que se sabe para criar alternativas que atendam, adequem, trabalhem e divirtam um indivíduo que tem diferentes necessidades particulares físicas sejam elas de apoios, peso, alongamento e equilíbrio.

Esse encontro/troca, gerou alguns registros no início de 2016, que deixo abaixo os links. Mas também fica uma última idéia de motivação para todos que querem começar a dançar e ainda não tiveram coragem: quando vc quer algo, nada é impossível.Vale muito a pena conhecer a trajetória dela, vejam mesmo!


Esse aqui tem vídeo dela dançando no programa da Fátima Bernardes e algumas imagens dela fazendo aula comigo: http://gshow.globo.com/programas/encontro-com-fatima-bernardes/videos/t/cenas/v/mel-superou-acidente-e-danca-bale-com-protese/4918016/

Foto: Karime Xavier

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Ritual para dançar

Dançar é entre todas as coisas que já tive contato, sem dúvida a que eu mais gosto de fazer, sendo assim dou sempre o meu melhor pra ela. Esse melhor aparece de várias maneiras, vai bem além de uma maquiagem bonita e de conhecimento técnico.

Palco. Enquanto me arrumo e preparo o cabelo, já começo a me concentrar naquilo que irei fazer.
Antes de entrar no palco meu ritual fundamental é o de me centrar, aterrando a concentração enquanto aqueço o corpo. Se estiver junto com uma grupo reúno todos em círculo e fazemos um oração de fé, com o intuito de integrar aqueles corações ali presentes "no mesmo barco", agradecendo a oportunidade, trocando e dividindo com todos a energia daquele momento único (isento de religião).

Aulas. Independente se estou fazendo a aula ou ministrando ela o "meu melhor" aparece em todos os detalhes, pois aqui o objetivo também é estar focada no que estou fazendo. Então faz parte do meu ritual chegar sempre cedo, alguns minutos antes da hora, estar bem arrumada com tudo em ordem, com roupas limpas e costuradas, ir/estar bem alimentada, levar minha garrafa de água, me lembrar de retirar brincos e bijuterias, me aquecer em silêncio acordando cada mínima parte do meu corpo, respirando e relaxando sozinha para me preparar pra aula que vai começar, de 5-10 minutos já são suficientes.

Pois pra mim tudo isso faz parte da dança.
E você? Me conta qual o seu ritual pessoal para dançar?


segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Motivação e Mudança de Comportamento

Está chateado com o Ballet? Suas aulas parecem ser sempre iguais? Precisa de estímulos para continuar? Faz aulas mas não vê grandes mudanças no seu corpo? Muita coisa pode estar acontecendo... Você já se perguntou o motivo desse desânimo?

Sobre a  aula: Bom, uma aula de ballet sempre obedecerá uma estrutura já bastante conhecida, basicamente essa estrutura em si nunca vai mudar, e ainda tem uma ordem pré-estabelecida (aquecimento, barra, alongamento, centro e coreografia ou pontas). Como professora posso pensar em fazer algumas variações dentro dessa “estrutura” sem cair na rotina para estimular os meus alunos, como: adicionar passos novos, mudar as seqüências a cada aula, trazer novos estímulos musicais semanalmente, fazer uma aula especial só com alongamento ou só de consciência corporal etc.

Se é pelos resultados: Basicamente eles irão aparecer no corpo a médio-longo prazo, é assim mesmo, tem que insistir e focar no que se quer. Outro fator é o número de aulas que vc faz por semana, quanto mais melhor. Você tem faltado muito ultimamente? Isso afeta o resultado também, você perde o vínculo com o desenvolvimento da turma e de desmotiva.
Outro fator determinante para perceber os resultados é a concentração e empenho, que estão ligados à qualidade de como você realiza os exercícios. Note se está apenas cumprindo o que o professor propõem ou tem foco na transformação?

Todo bailarino adulto tem a tarefa de lidar com seus próprios limites físicos, além de ter a coragem suficiente para transformar seu corpo milimetricamente a cada aula, sempre em doses homeopáticas.
Conforme praticamos, o trabalho do ballet vai cada vez mais se aprofundando no corpo. É uma coordenação fina da musculatura, da alma e da mente, mesmo que leve anos pra isso acontecer. Sempre que uma atividade física é interrompida o desenvolvimento pára de ocorrer. No caso do ballet se você faltar na aula por uma mísera semana quando voltar sentirá que não fazia aulas há anos.
Como escrevi em outro artigo, a ansiedade deve ser domada enquanto continuo praticando sem parar, é aí que está a arte. Sendo assim posso sempre escolher: desanimar frente às dificuldades ou me “vencer” e continuar em frente.

Algumas dicas para seguir firme e forte:
- Foque cada aula com um único objetivo a cumprir, por exemplo: “hoje vou fazer 1 pirueta limpa” ou “quero conseguir fazer bem os 32 changements propostos”, não parece mas isso já é bastante trabalho.
- Escolha e se concentre no trabalho estrutural de uma parte do corpo por aula. Exemplo: “hoje vou me dedicar aos músculos de en-dehors e só”, no outro dia “quero focar na qualidade do olhar”, e assim por diante, já é material suficiente pra meses de estudo interno.
- Lembre do seu sonho inicial e traga ele a tona novamente! Qual foi mesmo o motivo original que te levou pra aula de Ballet? Se pergunte e responda claramente por que resolvi faz Ballet? Guarde a resposta.
- Pode ser que você esteja descobrindo que sua “praia” não seja o Ballet. Normal, a vida tem dessas e mudamos de fase. A gente investe em algo por anos a fio e de repente percebe que não é bem isso que queremos mais. É normal mudar de gostos, tente outra dança ou outra prática corporal.
- Mude tudo: converse com um colega que nunca tinha notado antes, troque de lugar na barra, faça a aula de outra turma em outro dia/horário, mude o cabelo no jeito que você faz o coque, ou ainda estreie um colant novo, de preferencia de uma cor inusitada.
- Fale com seu professor em particular e conte seu problema. Acredite, se ele for sensível o bastante com certeza poderá te entender, te ajudar e fazer muitas coisas para melhorar sua relação com as aulas de Ballet.
- Deixa a dança te levar... todo mundo tem um ou mais dias ruins, às vezes péssimos. Nesses dias ruins é legal ir sim fazer aula, com as músicas, os colegas de sala e os movimentos a dança nos envolve e a transformação está feita. Basta deixar a mágica acontecer e se entregar. A dança tem o poder de mudar nosso estado físico-emocional drasticamente sempre para melhor.
- Cansou da sua professora? ou daquela turma? será que o cansaço está em ir sempre pra mesma escola? talvez seja o fim de um ciclo ali, naquele local ou com aquelas pessoas. Considere fazer aulas em um novo estúdio, fazer novas amizades, ter novos desafios, traçar uma outra rota no caminho para chegar lá...
- Já recebi emails de alunos que odeiam dançar no palco, e só de ouvirem falar a frase "espetáculo de fim de ano" fogem das aulas e para de dançar ou alguns só voltam no próximo ano... o que é normal, mas merece um artigo exclusivo só para esse assunto. 
- Em último caso dê um tempo nas aulas. Ás vezes a distância faz a gente enxergar melhor nossos objetivos. Pode ser que você volte correndo, com uma vontade louca de aprender mais ou realmente deixe de lado pra sempre. Mas se você se arrepender depois, não importa quando, mas volte! Volte mesmo.
- E se você resolver ficar e continuar seja sincera e pergunte pro seu coração: “O que te inspira e te mantém ali?”. Pode ser que seja uma imagem, ou conseguir realizar um desafio, atender um sonho do passado, sentir a sensação daqueles passos... Quando encontrar sua inspiração pessoal volte a conecectar-se a essas coisas nos momentos de desânimo, sempre funciona.
Beijos e boa sorte!
Ana




segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Um cantinho para chamar de seu.

Muita gente me escreve dizendo que tem o sonho de criar um espaço em casa pra poder praticar dança, melhorar seu alongamento e estudar tudo aquilo que aprende em aula.
Para tudo nessa vida há pelo menos 2 jeitos de se fazer: o primeiro é comprando pronto, e o segundo é fazendo você mesmo.
Pois é, sendo assim, em janeiro de 2007, na melhor tradição do "faça você mesmo" eu criei uma sala de estudo pra mim e minhas amigas, coincidentemente foi assim também que comecei a ministrar aulas, um capítulo a parte.
Abaixo minhas indicações para montar seu espaço de dança. Como sempre compartilho aqui a minha experiência, que não é a única no mundo (pode ser que vc faça melhor), são dicas, aproveitem!
Basicamente para começar você vai precisar de:

• Espaço: Nesse ítem eu destacaria o aspecto "tranquilo", leia-se local onde você possa estar isolado de críticas, de ruídos, livre de móveis ou objetos atrapalhando. Uma edícula, um quarto vazio, ou um canto do seu próprio quarto. Luz: movimento rima com prazer e criação.. dança é vida, dê preferência para um local arejado ou com janela, se necessário invista em lâmpadas. Parece óbvio falar mas luz é fundamental, claro e arejado durante o dia, bem iluminado se vc for usar a noite. Escolha com sabedoria.

• Chão: Quesito mega importante, pois aqui entra a questão segurança. Nada de chão de piso frio (azulejos), cerâmica ou pedra, onde há risco de escorregar, ninguém quer uma lesão. Na minha opinião o melhor piso para dança é o de madeira, ou, caso você possa investir, instale linóleo, cobrindo o piso original do local que vc escolheu. Linóleo é vendido por metro em rolos compridos, fixados em cima do piso por fita adesiva vinílica, tem uma postagem aqui no blog específica sobre Linóleo.

• Aparelho de som: Seja para usar CD, MP3, Laptop... contanto que haja música! Boa a alta de preferência! 

• Barra de ballet: Ou você faz a sua ou compra uma pronta, instruções abaixo e mãos à obra!
Eu usei uma barra de madeira maciça do tipo Canela, com quase 4 metros de comprimento, adquirida na Rua do Gasômetro na região do Brás (Centro da Capital paulista), onde há uma centena de lojas desse tipo. Ah, meça direitinho seu espaço antes de comprar, por favor! Notem os detalhes da minha barra na foto acima, a cada 1 metro de barra há um apoio de metal que liga a barra à parede além de parafusos com buchas devidamente chumbados, – nessa hora é muito útil a ajuda de alguém que tenha habilidade com furadeira.
Sim, pois firmeza e segurança são pontos principais dessa empreitada. A barra deve ficar paralela ao chão numa altura que varia entre 90 cm e 110 cm, meça antes de furar e leve em conta a sua altura, não deve ficar nem alta demais nem baixa, uma boa dica para definir a altura ideal é fazer alongamento com uma das pernas em cima da barra.
 Por fim dei acabamento lixando a madeira e aplicando 3 demãos de seladora incolor (específica para madeira) usando um pincel, ou pode ser verniz  incolor também. Todos os materiais descritos aqui foram comprados numa loja de materiais para construção, custo total da barra: R$ 295,00 (madeira, parafusos, seladora, pincel, lixa, buchas de fixação, suportes).

• Outros ítens e Decoração: Não tive como investir em espelhos grandes, porém coloquei um pequeno perto da barra (ele tem 90cm de altura) suficiente para eu me ver. Finalizei colocando meus materiais corporais num cesto de palha (bolinhas, elásticos, bambus, escovas etc.), uma mesinha pra apoiar o som, um cactus e alguns posters de ballet na parede.

Resultado final do meu espaço:


E aí, gostou? achou muito trabalhoso?
Me conta do seu também.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

O que é Ballet Adulto?

Se alguém me fizer essa pergunta e tiver tempo de ouvir com certeza eu ficarei pelo menos 2 horas falando sobre o assunto... 
Nesse vídeo em menos de 3 minutos tive que resumir muuuuuito a questão. 
Foi gravado quando abri a minha escola (Sala de Dança) em 2011,  mostrando trechos das aulas de Ballet Adulto para iniciantes.
A Sala de Dança foi criada para ser um centro de formação livre para adultos em Ballet Clássico, e contava também com outras modalidades além do Ballet Clássico.
Nele eu falo brevemente que o Ballet é para todos, qualquer pessoa pode fazer, basta querer.
São tantos os benefícios que é difícil enumerar em tão pouco tempo. Adultos podem começar seu aprendizado do zero, e aqueles que já fizeram Ballet na infância e estão retornando também poderão usufruir de todos os benefícios. Sempre tenha em mente que se vc quer dançar, de verdade, não há obstáculos ao seu desenvolvimento.
Mas para isso acontecer com seriedade e segurança é muito importante encontrar professores com boa formação, não submeta seu corpo nas mãos de qualquer um.
Destaco a importância das aulas de Ballet para adultos, pois são fundamentais para o seu desenvolvimento é onde todo o trabalho irá acontecer... vc conhecerá seu corpo, toda a técnica, aprender a nomenclatura, irá se alongar, enfim, tudo é feito com orientação para o seu crescimento.


sábado, 10 de setembro de 2016

Inspiração

"Somos o que fazemos. Nos dias em que fazemos, realmente existimos;
nos outros apenas duramos." (Padre Antonio Vieira)


Foto: BiaFerrer

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Nova data: workshop Iniciação ao Ballet Adulto



Voltado para quem nunca fez Ballet antes. Será ensinado postura, en-dehors, posições de braços e pernas, anatomia, exercícios de fortalecimento e consciência corporal, alongamento, barra, centro etc.
Data: 27 a 31 janeiro das 16 às 17:30 (
2ª a 6ª feira).
Uma aula por dia, em turma, total de 5 dias de aulas.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Alguns recados rápidos...

Bienal Internacional de Dança Começa hoje e vai até 29 de Abril na cidade de Curitiba. Com o tema "A Dança em Todos os Estilos" esse grande evento contempla palestras, espetáculos, exibições de vídeos e uma série de apresentações ao ar livre. Para as oficinas de dança serão oferecidas 1.500 vagas aos interessados. Quem puder conferir vale muito a pena. Para mais informações clique aqui.


Aulas de Ballet Clássico Adulto a R$ 5, cada.


De 23 a 28 de Abril, como comemoração ao Dia Internacional da Dança, a Sala de Dança promove 29 diferentes aulas a R$ 5, cada. Para saber os horários das aulas clique aqui. Inscrições pelo email ballet.adulto@gmail.com

Nova Turma de Ballet Clássico para Adultos nível Iniciante.
Pessoal, está rolando uma movimentação para abrirmos mais uma turma de aulas regulares, seria todas as segundas-feiras das 14 às 15:30. Precisamos de no mínimo 5 matriculados para começar. Caso alguém se interesse por favor entre em contato conosco pelo ballet.adulto@gmail.com




quinta-feira, 19 de abril de 2012

Em toda parte [8]

Balé é tema de ensaio fotográfico sobre lingerie, na revista Opaque, edição de março/2011.


Foto: Danilo Borges.

terça-feira, 17 de abril de 2012

BalletAdulto em Lomo by FêBello.

Lomo é uma máquina de fotografar analógica com filme, lentes e filtros que permitem diferentes efeitos, granulações de imagem, distorções de cores, combinações de exposição de forma lúdica e surpreendente, você nunca sabe como as fotos serão após reveladas.
Fê é uma aluna dedicada, boa gente e muito talentosa. Nas horas vagas ela combina sua paixão pela vida com a fotografia. E assim experimentamos cliques nas aulas de Ballet Adulto gerando imagens originais que refletem a condição fugaz da dança.
Veja algumas delas registradas abaixo.











Obrigada Fê! foi difícil escolher algumas para publicar.
***
Quem quiser saber mais sobre Lomo, aqui.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

"Coda", um curta metragem.

Três bailarinas estão chegando em suas casas. Sozinhas com seus próprios delírios... ou seriam suas verdades fantasiadas?
Em meio ao caos da metrópole paulistana, três bailarinas descortinam a verdade que se esconde por trás de suas imagens irretocáveis e do modelo de felicidade que representam. Ícones de perfeição, criados pelo figurino, a maquiagem, as coreografias impecavelmente sincronizadas, elas deixam transparecer o caos que carregam em si. Fragmentos de suas vidas bailam diante dos olhos do espectador, enquanto as bailarinas rodopiam delirantes em busca de libertação.

"Coda" é um curta de animação de Marcos Camargo que mescla duas técnicas: "pixilation" e "light-painting". A primeira consiste em um “stop-motion”, simulação de deslocamento de objetos estáticos. Aqui, ela é aplicada a pessoas, que atuam como se fossem bonecos. Os movimentos do ator/boneco são registrados a cada fotograma capturado pela câmera.
A técnica “light-painting”, por sua vez, permite, em um ambiente escuro, a pintura da cena ou a criação de desenhos a partir de uma fonte de luz portátil, como uma lanterna. A união das duas técnicas foi criada para animar a própria luz. O resultado é uma iluminação improvável do cenário e desenhos que interagem com as personagens.
O filme foi inteiramente produzido com fotografias e sem manipulação digital ou efeitos especiais. Foram captadas 27.000 imagens, sendo que 13.000 compõem a versão final.


Para ver o filme integral clique aqui.

"Coda" foi premiado como melhor Filme Curta-metragem de Fantasia (5º Cine Fantasy 2010), como melhor Direção de Fotografia (Festival do Júri Popular 2009) e ainda como melhor Direção de Arte (no Festival Primeiro Plano 2008).

segunda-feira, 12 de março de 2012

Em toda parte [7]

Esse mês o público televisivo da Coréia assistiu o Ballet Nacional dançando num comercial de calças jeans. Tão confortáveis que permitem movimentos livres assim, é a mágica do stretch, a técnica não vem com as peças. Numa linguagem contemporânea, jovem e urbana, veja baixo a versão integral do filme publicitário.

domingo, 4 de março de 2012

Poética do gesto, poética do invisível.

Quando essa música começou a tocar nas rádios, no ano passado, já gostei logo de cara. O clipe foi lançado, assisti sem parar e só me apaixonei mais ainda.
Além da canção ser linda, a atuação do Anderson Silva (lutador) ao lado da Marisa Monte é delicada, sutil e levemente sensual. Aqui não se avalia a técnica de dança, mas outras coisas bem mais interessantes, tem que ver além, ver com o coração.
É interessante ver Anderson num papel onde sua imagem é totalmente oposta a de forte, grande e durão, como vemos nos ringues. Bela parceria do casal aos passos do Bolero, uma condução pura de acordo com a simplicidade da música, com a riqueza da voz, numa amplitude profunda que toca o sensível.
Acertadíssima direção de Dora Jobim, que percebeu que menos é mais, muito mais.



Talvez a gente se canse de ouvir pois agora vai virar hit, como tema de novela das 6. Mas uma coisa tenho certeza que ficará, aquilo que eu sempre soube: onde há dança tudo fica muito mais bonito.

Boa semana!
Ana Maria Curcelli

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Ballet na rede Cinemark.

Para todos que me pediram aqui vai o link: http://www.cinemark.com.br/royal-opera-house#!prettyPhoto
Cinemas de diversas cidades no Brasil estão na programação, com 'Giselle' e 'Romeu e Julieta', confira.
Para ver o trailer oficial de Giselle, clique aqui.


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A Coluna Vertebral e o todo.

Vidrada nas funções e possibilidades do corpo humano sempre adverto meus alunos no cuidado com a coluna vertebral. Isso mesmo: como faço para enrolar, desenrolar, carregar objetos, levantar, virar de lado, fazer movimentos bruscos... difícil desenvolver esse gosto, essa percepção, mas eu tento desde a primeira aula. "O que mantém a coluna no lugar?" eu pergunto na aula, meu alunos sabem a resposta.

Sim, dançamos! Mas é pra ser com consciencia corporal, com domínio e tônus adequado, harmonia e cuidado para preservar aquilo que temos, que somos. Lesões podem acontecer na sua jornada dançante, mas isso não precisa ser uma regra. Um bom professor é aquele que te ensina a respeitar seus limites, a conhecer seu corpo e dançar com prazer, porém evitando lesões ao máximo.

Vá, mas vá com cuidado!
Ninguém deve ter orgulho de lesões provocadas pela dança, se alguém te mostrar o contrário, duvide dessa conduta — Saúde e dor, prazer e sofrimento precisam mesmo caminhar juntos? O desenvolvimento físico e técnico só pode ser alcançado se galgado no tempo, já escrevi sobre isso antes.

Adicionei abaixo um link que faz parte de uma propaganda de clínicas de Quiropraxia nos EUA, porém é muito interessante e pode nos ajudar a perceber melhor o que se passa "dentro" de nós, se não cuidarmos bem da nossa "espinha". Passe o mouse ao longo das 24 vértebras da coluna vertebral. Faça lentamente e veja uma demonstração de como a nossa coluna vertebral afeta as outras partes do nosso corpo. http://www.chiroone.net/why_chiropractic/index.html

Toque-se, ame-se, cuide-se e dançe com prazer e saúde por muitos e muitos anos.

Ana Maria Curcelli

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Início de ano, início das aulas.

É isso aí, mais um recomeço, uma nova fase... terminei o ano com minha agenda totalmente fechada e 2012 mal começou e ela já mais lotada do que antes... trabalhando em média 17 horas por dia (sem dramas). Tenho a impressão que o tempo realmente escorre pelas minhas mãos e não consigo mais me dedicar a muitas atividades que eu fazia e amava... escrever no blog, responder os emails, pesquisar e ler mais, debater com amigos etc. Em compensação muitas idéias estão se concretizando, crescendo e em breve vem muita novidade por aí! Uma delas, o Bike Ballet (foto abaixo), já vai para sua terceira edição.


Se você entrou nesse blog procurando por aulas de Ballet Clássico para Adultos os horários em turmas atualizados estão aqui. O próximo grande evento é a Semana de Aulas Abertas, se você quer conhecer uma aula de balé, começar ou voltar a dançar, veja o melhor horário e venha, essa é sua chance!

Ah! no blog da Sala de Dança você fica informado dos nossos eventos, workshops e promoções, se quiser também pode deixar seu email para receber a programação: saladedanca@gmail.com.

Um bom início de ano pra você! Com saúde, paz, amor e muita dança!

Ana Maria Curcelli

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Quando o Balé encontra... o Tango.

Uma amiga querida minha, que faz dança também, soube que eu havia coreografado uma música de Tango para minhas alunas de Balé Adulto, da turma de iniciantes em pontas. Ela me enviou este vídeo de presente a algumas semanas atrás, desde então eu fiquei vidrada nele.

Ninguém consegue parar a humanidade muito menos a história. É o destino da arte se transformar constantemente, em influências, idéias, criação, experimentação e pesquisa. Está aí um ótimo exemplo disso, combinando movimentos do Tango, Balé Clássico e Danças Folclóricas Russas.

Deliciem-se com "Uma Noite na Taverna" de Igor Moiseyev.



Thanks dear M! ;-) love u

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Em toda parte [6]

Até catálogo de sapatos tem tutu. O tema visual escolhido para as imagens da coleção trazia referências de palco, circo e burlesque.



Será que todo mundo que dança vê dança em todo parte ou sou só eu?


Fotos: Sandrine Dulermo e Michael Labica para Melissa.
Modelo: Dita von Teese.

sábado, 16 de julho de 2011

Ballet Adulto convida...

Aulão de Condicionamento Físico para Ballet e Repertório com André Galisa.
Trabalho preparatório para bailarinos clássicos composto pela combinação de exercícios força, alongamento e resistência em 3 horas de duração. Introdução à coreografia em pontas – variação feminina Paysant em diferentes versões.
Voltado para alunos nível Básico/Elementar. Bailarinas: trazer sapatilhas de ponta.

Próximo sábado: 23 de Julho/2011 das 15 às 18hs na Sala de Dança (Vila Mariana/SP).

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Roland Petit (1924-2011)

Deixo aqui uma pequena lembrança de sua obra como criador-coreógrafo, uma das patres de "Le Jeune Homme et la Mort" criado em 1946, que adoro. Estrelado por Zizi Jeanmaire, sua esposa e Rudolph Nureyev.


Para assistir a parte 2 desta obra, clique aqui.
Para ler mais sobre Roland Petit, aqui.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Ballet Adulto na Sala de Dança!

Gente, como muitos já sabem minhas aulas de Dança Clássica para Adultos estão agora na Sala de Dança em São Paulo, bairro Vila Mariana. Lá é um local estrturado para aulas de dança para adultos, contando com instalações de primeira, profissionais de nível universitário, metodologia de ensino diferenciada, e uma grade de formação livre e diversificada em dança onde o aluno escolhe o quê e quando quer cursar. Isso mesmo, fora a aulas de Balé tem Dança Moderna (Graham), Dança Contemporânea, Contato-Improvisação, Jazz, Pilates, Yôga e quanto mais aulas o aluno faz menos ele paga por elas... quer mais? Opções de horários manhã, tarde, noite e aos sábados.

As aulas estão abertas para todos os corpos, idades e experiencias, aliás as aulas seguirão normalmente durante todo o mês de Julho/11. Caso não queira se matricular há opção de fazer aulas avulsas. Em breve também divulgo a programação de workshops de férias lá. Matrículas abertas, vem dançar com a gente!


Para "Curtir" no Facebook: clique aqui.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

I do not dance as I want to; I dance as I can.


Minhas sapatilhas. Pic by Pat Oh Maria!

Apesar da dor, do cansaço, das faltas, da improntidão, das idas e vindas, da impossibilidade de se dedicar da forma "ideal", do quanto seria necessário ou sonhado. Dou o que posso, danço enquanto leciono, leciono enquanto danço. Carregando junto o peso da separação, da reconstrução da minha vida, a confusão das emoções, a euforia das novidades, as dores desse corpo e os instantes da pressa incessante. Como for possível.

domingo, 12 de junho de 2011

A dança dos amantes.



"A Valsa" / "La Valse", (1892)

Sentimento eternizado em pedra, farfalhar do fogo da paixão.
O fluxo de movimento congelado na escultura de Camille Claudel.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Eu gosto. [5]

Com mais de 30 anos de profissão, Ivaldo Bertazzo, coreógrafo, professor, criador, bailarino é primeiro de tudo um pensador do corpo. Com aguçada percepção e sensibilidade da poesia corporal já coreografou dezenas de espetáculos, produziu, dirigiu, preparou e escreveu livros onde o movimento humano é o tema principal. Inovador, consegue mesclar dançarinos profissionais e cidadãos comuns, dividindo o mesmo palco.
Para escrever esse artigo me importa mais destacar aquilo que acho fundamental: seu pensamento único e contemporâneo além de sua metodologia de trabalho, o Método Bertazzo –, criado por ele e uma equipe de fisioterapeutas. Uma amostra desse pensamento inovador podemos saborear abaixo, numa entrevista realizada por Nirlando Beirão.


[Nirlando] Desde a Grécia, os Jogos Olímpicos estão aí como que para exaltar o corpo e a superação dos limites do homem...
[Bertazzo] É, e de vez em quando, para reforçar um sentido político. É bom ficar atento. Deve acontecer de novo, em Pequim. O exemplo mais escandaloso disso aconteceu na Alemanha de 1936. A Olimpíada de Berlim, de Hitler e da Alemanha nazista, era para ser a selebração física do homem. Do homem branco, ariano, bem entendido. Aí vem um negro (Jesse Owens, vencedos dos 100 metros rasos) e acaba com a festa. Vence a principal prova no meio daquele loirinhos todos. A Leni Reifenstahl (fotógrafa e cineasta) estava lá para documentar a supremacia nazista. Registrou, com raro talento, o constrangimento nazista.

[Nirlando] Ela que tinha simpatia pelo regime...
[Bertazzo] É o que dizem e o que parece. Mas o registro fotográfico e cinematográfico da Leni Reifenstahl é preciso. E, depois da guerra, acusada de colaboracionista e simpatizante, acaboou indo fotografar, lá na África,os sudaneses da etnia nuba. Desde os jogos de Berlim ela deve ter ficadoo impressionada com a perfeição atlética dos africanos. Eles, sim, são racialmente superiores, essa é a ironia que o esporte revela.

[Nirlando] Em que sentido?
[Bertazzo] Repare no corpo desses quenianos, etíopes, que correm provas de longo curso, que disputam a maratona. São longilíneos, esguios, altos, tem a configuração muscular de coxa-femur mais soberba que existe. As pernas não flexionam, dão mais equilíbrio, não sobrecarregam os músculos ao longo da corrida. Do ponto de vista corporal, os negros são a raça mais evoluída. O africano é o bípede de excelência.

[Nirlando] Olimpíada, então, tem sempre um caráter guerreiro, é isso?
[Bertazzo] O esporte visa a vitória. É sempre uma competição. Um apelo à performance. Diferente da dança. Que é também superação com controle – mas que busca a beleza plástica e o encantamento espiritual. Embora, pensando bem, a gente perceba que mesmo a dança virou também, nesses tempos de globalização, um território de competição e rivalidade. A dança contemporanea segue a aceleração do home comtemporaneo. Estamos perdendo o glamur tranquilo do bailarino e da bailarina. É ruim para a arte.

[Nirlando] Você já criou alguma coreografia baseada no esporte?
[Bertazzo] Não. Aliás, usei capoeira, sim. Capoeirista com bailarina clássica.

[Nirlando] Mas capoeira não é só esporte, não é? É também dança e luta. Ou pelo menos simulação de luta.
[Bertazzo] Simulação de luta, como, aliás, o judô. Os juizes ficam alí olhando e é o toque que determina a pontuação. Se o sujeito usasse o golpe de ataque, sem limite, mataria o adversário. Uma pernada, na capoeira, é capaz de arrancar a sua cabeça. Como no esporte de luta não se pode usar toda a potência muscular, você tem que ter um total controle do movimento. A força bruta é fácil. A graça do esporte de luta é disciplinar, com elegância, esse ímpeto selvagem, primitivo.

[Nirlando] Como na esgrima...
[Bertazzo] Touché! – e acabou. Já imaginou se fosse para valer?

[Nirlando] Quer dizer que, para preservar a beleza do movimento, seja na dança ou no esporte, o desafio é desafiar o bicho bravo que há dentro de nós.
[Bertazzo] O corpo se exprime por uma força muscular antagônica. Eu faço um movimento em um determinado sentido, mas tenho mecanismos educador para brecar esse mesmo movimento. Organicamente, meu corpo opera por oposição, através de reações dialéticas de ação e negação. Isso parece doutrina oriental, mas é como, de fato, somos. Só assim conseguimos a harmonia, que é a minha concepção de beleza. Veja a postura de um atleta prestes a largar para uma prova curta, a de, digamos, 100 metros rasos. Ele tem o corpo crispado, a pressão da mão no solo e a do pé no aparelho de largada criando uma unidade de força, contida, que eletriza os múculos – força que vai e volta e, de repente, ao sinal, é liberada. O corredor solta a pressão, dá o arranque e o corpo dispara. Mas o atleta perderia o quilibrio e se esborracharia no chão se, mesmo numa situação de extrema superação, seu corpo não estivesse em em vigilante atitude de organização, cada parte atuando como unidade funcional de um todo.

[Nirlando] Em resumo: numa competição aguda, não basta o ímpeto, o vigor, a preparação. O corpo é também inteligência.
[Bertazzo] Vou dar outro exemplo familiar: o futebol. O que é que faz a graça do futebol? O drible, a embaixada, a destreza brincalhona com a bola. Se o jogador preservasse mais essa arte, não se machucaria tanto. A bola, e não ele, passa a ser o centro de equilíbrio. Aí está a sabedoria. É essa a diferença entre os craques e os medíocres. O grande jogador e a bola formam o mesmo conjunto. Por isso, não há que a tire dele.

[Nirlando] O que o esportista poderia aprender com o coreógrafo?
[Bertazzo] Há muita coisa para se fazer para que o corpe esteja em boa forma. A tecnologia hoje é avançadíssima e é curioso como, aí, de novo, o futebol é o último esporte a se aproveitar. Mas não quero sugerir que jogador deva fazer ballet. Longe disso. Há coisas até antagônicas. O pé do bailarino estica, o do futebolista flexiona – se não, não teria potencia para o chute. Mas volto ao meu ponto: o atleta tem de ter a percepção do controle corporal. O lançador de disco, por exemplo: existe desde a antiguidade clássica, desde o discóbolo, movimento mais complexo, mais tortuoso e mais bonito? No salto em altura, para o corpo passar pela tarrafa ele precisa fazer um arco, descrever uma elipse, apoiando-se em uma unidade de força que o atleta não pode soltar de uma vez. Dá o arranque, controla e voa. É uma coreografia aparentemente impossível.

[Nirlando] E os desafios de moda? Você ve aí dança, coreografia?
[Bertazzo] Não sou de ir a desfiles, mas o que sinto é que, ali, o corpo não é para ser mostrado, a roupa, sim. As modelos são cabides, é como se elas tivessem um corpo invisível. Mesmo sendo aquelas bonitas que são.


***

Para saber mais: O site do Ivaldo aqui.

Para ler: Cidadão Corpo e Corpo Vivo – à venda nas melhores livrarias.

Para assistir: Partes de alguns de seus espetáculos, Kashmir Bouquet, Mãe Gentil, Milagrimas, Mar de Gente, Samwaad Rua do Encontro, Cidadão Dançante e Corpo Vivo, seu trabalho mais recente.

sábado, 21 de maio de 2011

18 colants em 30 segundos

Um vídeo divertido, simples e criativo para um final de semana leve...

18 Leotards in 30 Seconds from Robin Cantrell on Vimeo.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Em toda parte [5]

Paloma Herrera, bailarina, argentina, uma das principais estrelas do American Ballet Theatre, posa como garota propaganda de uma instituição bancária.

domingo, 15 de maio de 2011

Mais balé ao vivo nos cinemas.

Agora é a vez de 'Coppélia', com o Ballet Bolshoi e estrelado por Natália Osipova. Transmissão em 29 de maio de 2011 às 12hs. Confira os cinemas aqui, para ler mais sobre a exibição aqui, ou para comprar aqui.


sexta-feira, 13 de maio de 2011

O que é Soft Pointe?

Olhando de fora parece tudo igual, centin brilhante e fitas cor de rosa. Ahã. Mais não é. Imagine uma sapatilha que não é nem de ponta e nem de meia-ponta. Confuso? Essa ainda seria a melhor maneira de defini-lá.
A Soft Pointe (Ponta Suave em português) é uma sapatilha "preparadora dos pés". Digo, não tem a palmilha interna que proporciona o "subir" em pontas, por isso não pode ser usada como substituta da sapatilha de pontas tradicional. O uso desse acessório permite ao aluno que está se preparando para o trabalho técnico em pontas adquirir mais força nos pés antes de chegar à elas, principalmente no que se refere ao alongamento e contato com o chão. Geralmente é adotada por quem cursa o método Royal de balé no estágio Intermediário, sendo usada em aulas e exames.
No Brasil é fabricada e vendida pelas marcas Capézio e Só Dança, preços variam entre R$ 50 a R$ 65.